Pular para o conteúdo principal

Quem foi que disse que a jornada seria fácil?

Quando criança ouvi muitas vezes minha vó e mãe dizerem: “rapadura é doce, mas não é mole não!”. Claro que naquela época não entendia o que isso queria dizer. Também ouvia um outro ditado que aparentemente era bem diferente, mas hoje percebo a semelhança que tem com o primeiro. Era o seguinte: “a vida não é um mar de rosas”. Agora paro, penso e concordo em parte com as verdades inseridas nessa sabedoria popular. A vida apesar de toda doçura tem também lições amargas e muitas vezes dolorosas; apesar de tão bela e delicada como uma linda rosa, mesmo contendo aromas suaves de alegrias aqui e ali, de quando em quando nos deparamos com os espinhos das tristezas, decepções e imprevisibilidades.
Tudo que conquistamos geralmente é com persistência, determinação e dedicação. Consequentemente vem às dificuldades que irão requerer de nós ainda mais empenho, esforço e força de vontade. Parece que temos uma tendência natural de valorizar o que requer de nós mais determinação. Talvez por isso muitos dizem: “o que vem fácil, vai fácil”. Sendo assim, percebemos que a vida de fato não é um mar de rosas, mas também não é um jardim sem cor. As dificuldades são desafios necessários e fortalecedores para sabermos desfrutar de cada conquista.
Sempre existirão palavras e situações que poderão nos paralisar diante da perplexidade do existir, como diria Jean-Paul Sartre: “A questão não é o que fazem conosco, mas sim o que fazemos com o que fazem conosco”. Sim, sempre existiram os dois lados! As palavras e os sofrimentos podem ser motivos de nossa inércia, mas também pode servir de combustível para avançar e ir cada vez mais longe. Não nos faltarão aquelas pessoas, situações e palavras para nos conscientizarem das dificuldades que iremos nos deparar em nossa caminhada no chão da vida. Nós não estamos isentos de passarmos por dificuldades, não estamos blindados contra as situações que ameaçam roubar a nossa paz. Mas passarão! Você é maior do que toda e qualquer circunstância e as experiências adquiridas nos farão suportar, reaprender, refazer e recomeçar sempre que for necessário. Então, quando as coisas parecem perdidas, fique atento, porque logo o cenário da nossa vida mudará. Basta estarmos atentos aos movimentos internos e externos confiando um pouco em nosso potencial.
Já percebeu como tem gente que é capaz de se alegrar mesmo em meio a situações desfavoráveis? Com isto não estou querendo dizer que devemos fazer uma negação da realidade, porque as lutas diárias, constantes e às vezes intensas. Portanto, em meio aos dilemas da vida permanecer firme e equilibrado é um desafio, mas viver um dia de cada vez sem ser consumido pela ansiedade e pelo desânimo é extremamente necessário. Tenhamos coragem para vencer os desafios e as lutas do dia a dia a fim de saborearmos as doçuras das conquistas. Entretanto, não alimentemos a utopia de uma vida sem sofrimentos, tais promessas são puramente ilusórias, pois a questão está em aprender com os amargos da vida. A jornada não é fácil, mas é cheia de pit stop (paradas técnicas) para recuperar as forças e prosseguir a caminhada revigorados, pois a vida é cheia de desafios que são verdadeiras oportunidades para crescermos.


D. L. Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escutar-se

Existe diferença entre ouvir e escutar. O primeiro ouve sem dar a devida atenção e muitos parecem ter um botão de desligar, fazendo jus aquela expressão popular: “Ouvido de mercador” ou “entra por um ouvido e sai pelo outro”. O segundo por sua vez, escuta atentamente o que está sendo dito e até o que muitas vezes nem se percebe dizer. Escutar o outro não é simplesmente captar o que está sendo dito, mas entender o que é captado pela audição, de modo que se compreenda e processe a informação internamente. Contudo, escutar-se é um desafio, ainda mais diante dos ruídos e distrações existentes em nossos dias. Portanto, isso requer ainda mais esforço e disciplina, pois nos leva aos nossos medos, desejos, angústias, fantasias e nossos fantasmas, porém como já foi dito anteriormente, cabe a nós silenciar nossa mente. O ser humano sempre deseja esquivar-se da verdade dele mesmo. Na grande maioria das vezes não queremos nos escutar porque fugimos de nós e preferimos não nos confrontar com nosso …

Identidade na diferença

Eu? Como assim eu? Se nem sei exatamente o que sou. Tornei-me isso que, dia após dia, muda e não sei o que serei, pois, ainda estou sendo uma metamorfose incessável. Este ser que diz, eu, é o mesmo que diz fui. Isto mesmo! Olhando para trás vejo que fui alguém que não sou mais, mas era eu lá, e sou eu aqui, mas o ser de hoje não esteve lá, pois, é fruto, produto de tudo que vivenciei no decorrer dos anos. O ser de ontem também dizia: "eu sou assim". No entanto, hoje me vejo de outro modo e percebo que não era daquele jeito, assim como não sou hoje o que serei amanhã. Então, o que sou eu afinal? Algo que transcorre e escorre no tempo? Sou ou que estou sendo? Eu sou o que foi aprimorado no tempo? Esse ser que abre a boca e diz, eu sou, é tão relativo que uma simples relação com pessoas diversas gera uma mudança no que se diz ser, passando a ser produto da influência relacional. Sendo assim, o eu de hoje, mais adiante, será outro e não mais o que se é. Se digo que sou, já estou…