Pular para o conteúdo principal

A constância inconstância


O constante começo que parece o começo do meu fim e, a inconstância de um novo começo sem fim, me consome, ao ponto que some, a esperança que me lança para o começo do fim em mim instalado como um estalo.
A constante inconstância me maltrata, me sufoca, me mata...
Hoje estou aqui, mas com um desejo enorme de estar ali, porém, quando estou ali, constantemente, não quero nem aqui e nem ali, quero mesmo é ficar lá. Estando lá me pergunto: De onde vim? Para onde vou? Como vim? Como vou? As indagações que borbulham em meu ser logo me propõem um novo recomeço, onde retomo ao velho vício de um início sem fim.
Quero mais é ser constante em minha jornada, aprumar meus pés nesta longa caminhada, sem que a inconstância me consuma a alma e me paralise, ou me jogue em um buraco negro e nele me perca sem saber quem sou num constante vazio.
Desejo na inconstância do meu ser, não mais ser alguém, apenas eu mesmo constantemente aprendendo com meus erros e acertos, me refazendo sem o agir louco e impensável, porém, em tudo sendo impulsionado por quem não é inconstante, Ele, o Eterno que em tudo é constantemente amoroso e cuidadoso, sim, o Sumo Bem, o Amor. Muitos chamam de acaso, ou destino, outros parecem querem simplicicá-Lo em quatro letras: D-E-U-S, mas prefiro chamar de Eterno Amor, pois Ele me ama incondicionalmente apesar de mim, isso mesmo, apesar de tudo que sou Ele o amor dEle é sem limites.
Não quero mais fazer a constante viagem de um novo começo inconstante, cheio de dúvidas, mas até mesmo estas nos ajudam a crescer. No entanto, não quero mais voltar para ser quem eu era, pois estou em constante metamorfose. Entretanto, quero ir seguindo, prosseguindo com constância, aprendendo e reaprendendo muito sobre mim, em mim.
A constância inconstância: vou transformá-la com um desconto diário sob a certeza de estar constantemente com quem, pacientemente, ensina-me até com minhas frustrações, erros, acertos, fraquezas... o Eterno Amor.
Portanto, a cada dia, quero ser possuído não pela inconstância, mas se esta vier quero ser envolvido pela constância de amar sem reservas apesar de mim.

Daniel L. Gonçalves
Teólogo, Psicanalista e Filósofo


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Identidade na diferença

Eu? Como assim eu? Se nem sei exatamente o que sou. Tornei-me isso que, dia após dia, muda e não sei o que serei, pois, ainda estou sendo uma metamorfose incessável. Este ser que diz, eu, é o mesmo que diz fui. Isto mesmo! Olhando para trás vejo que fui alguém que não sou mais, mas era eu lá, e sou eu aqui, mas o ser de hoje não esteve lá, pois, é fruto, produto de tudo que vivenciei no decorrer dos anos. O ser de ontem também dizia: "eu sou assim". No entanto, hoje me vejo de outro modo e percebo que não era daquele jeito, assim como não sou hoje o que serei amanhã. Então, o que sou eu afinal? Algo que transcorre e escorre no tempo? Sou ou que estou sendo? Eu sou o que foi aprimorado no tempo? Esse ser que abre a boca e diz, eu sou, é tão relativo que uma simples relação com pessoas diversas gera uma mudança no que se diz ser, passando a ser produto da influência relacional. Sendo assim, o eu de hoje, mais adiante, será outro e não mais o que se é. Se digo que sou, já estou…

Quem foi que disse que a jornada seria fácil?

Quando criança ouvi muitas vezes minha vó e mãe dizerem: “rapadura é doce, mas não é mole não!”. Claro que naquela época não entendia o que isso queria dizer. Também ouvia um outro ditado que aparentemente era bem diferente, mas hoje percebo a semelhança que tem com o primeiro. Era o seguinte: “a vida não é um mar de rosas”. Agora paro, penso e concordo em parte com as verdades inseridas nessa sabedoria popular. A vida apesar de toda doçura tem também lições amargas e muitas vezes dolorosas; apesar de tão bela e delicada como uma linda rosa, mesmo contendo aromas suaves de alegrias aqui e ali, de quando em quando nos deparamos com os espinhos das tristezas, decepções e imprevisibilidades. Tudo que conquistamos geralmente é com persistência, determinação e dedicação. Consequentemente vem às dificuldades que irão requerer de nós ainda mais empenho, esforço e força de vontade. Parece que temos uma tendência natural de valorizar o que requer de nós mais determinação. Talvez por isso muitos…

Uma ilha diferente

Numa pequena ilha chamada sentimentos chegou um barco e nele estava escrito Problemas. Todos os que estavam nele desembarcaram na ilha. Então, começaram a sair do barco o Estresse, o Sofrimento, a Dor, a Amargura e a Angústia.
Assim que virão os que desceram do barco, a Alegria, Calma, Coragem, Felicidade e Gratidão, subiram numa pequena jangada e fugiram da ilha. Desespero foi logo avisar aos demais que ainda estavam na ilha.
Esperança ficou sem reação e procurou a Estabilidade que tinha uma pequena canoa e também fugiram da ilha.
Todos da ilha foram para imensa casa do Medo, exceto a Tristeza, Ansiedade e Depressão que preferiam ficar diante do mar cujo nome era sonhos e ficaram ali se lamentado da vida, pois depois que o barco Problema chegou, tudo se transformou se tornou um caos. Mas, espere, tem alguém se aproximando da ilha numa velha jangada. Quando chegou a ilha ele disse você me permite entrar na ilha? Tristeza respondeu com uma pergunta: "por que, se a ilha está praticame…

Daniel Lima

Bacharel em Teologia;
Licenciado em Filosofia;
Mestre em Ciências da Religião (livre);
Pós-graduando em Psicanálise e Teoria Analítica;
Psicanalista em Formação Permanente de Orientação Freud Lacaniana;
Coordenador e docente do Núcleo de Pesquisas e Estudos Psicanalíticos do Instituto Aliança de Linguística, Teologia e Humanidades - IALTH.