Pular para o conteúdo principal

Fazer silêncio

Fazer silêncio fora é uma tarefa fácil, basta se retirar para um ambiente calmo. Embora fora esteja em silêncio, dentro pode está um constante ruído de pensamentos que vem e vão. Se não atentarmos para esse mundo que nos habita jamais perceberemos o que projetamos fora, caminhando numa constante busca a fim de preencher nossas faltas. Sendo assim, criamos grandes expectativas que aqui e ali se transformam em repetitivas decepções intensificando ainda mais velhas dores em novos momentos.
Iniciar essa viagem para nosso interior é algo que demanda esforço e disciplina, pois além de autoanálise se faz necessário escutar a si mesmo. Isso requer atenção até mesmo para a maneira como enxergamos tudo a nossa volta, inclusive aquilo que falamos dos outros, porque o que falamos deles tem muito mais a ver conosco do que com eles de fato. O pior é que ao nosso redor muitas coisas cooperam para não silenciarmos, de modo que muitos acreditam que pacificar-se e aquietar-se não é algo possível, mas permita-me dizer: “Sim, é possível!”.
A que ponto chegamos? O exercício de silenciar-nos internamente parece algo impossível diante da velocidade das comunicações e essa insaciável necessidade de obter informações a todo instante. As coisas simples já não nos satisfaz! Perdemos o prazer de contemplar o pôr do sol, escutar pássaros cantando, tomar um banho de chuva, etc. Até se fazer presente na vida de quem amamos tem sido substituído por presentes. Então, consequentemente acabamos entrando num espiral de angústia querendo o tempo todo atender as expectativas dos outros, desejando ser alguém e não nós mesmos. Basta parar um pouco que logo perceberemos que nossas maiores angústias não estão no agora, mas nas culpas por algo do passado e na ansiedade de vivenciar algo no futuro, além do medo da calamidade, imprevisibilidade e a perplexidade do existir.
Em vias ferroviárias é comum nos depararmos com três palavras: pare, olhe e escute. Talvez precisemos fazer isso parar um pouco esta correria diária, às vezes nossas agendas estão cheias de compromissos porque não queremos nos deparar com nossos vazios. Entretanto, parar sem se ver e sem escutar de nada vale se não para quebrar a rotina, porém esse exercício nos leva de volta a nossa essência, nos reconecta com o que de fato somos. Todavia, se esse movimento for executado com cobranças para nada servirá, apenas nos manterá na superfície, em cascas que até se parecem sólidas, mas são cascas, são frágeis.
Ocupemo-nos com o agora sem antecipar nada, de modo que tenhamos pelo menos dois minutos diário de silêncio para enxergar se tem algo conturbado dentro de nós. Este estado de quietude não nos desgasta, mas nos resgata; não nos mantém aprisionados a isto ou aquilo, antes nos liberta. Assim, somos conduzidos a nos conhecer e até gostar de nós mesmos. Enquanto estivermos barulhentos dentro de nós estaremos com a alma agonizando e amargurada. Portanto, é preciso enxergar projetando luz nas áreas escuras do nosso ser, pois muitas vezes o problema não está fora, mas dentro de nós de tal maneira que não adianta arrumar fora porque a confusão está dentro. Fazer silêncio na mente é cuidar de si mesmo, por isso façamos.


D. L. Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem foi que disse que a jornada seria fácil?

Quando criança ouvi muitas vezes minha vó e mãe dizerem: “rapadura é doce, mas não é mole não!”. Claro que naquela época não entendia o que isso queria dizer. Também ouvia um outro ditado que aparentemente era bem diferente, mas hoje percebo a semelhança que tem com o primeiro. Era o seguinte: “a vida não é um mar de rosas”. Agora paro, penso e concordo em parte com as verdades inseridas nessa sabedoria popular. A vida apesar de toda doçura tem também lições amargas e muitas vezes dolorosas; apesar de tão bela e delicada como uma linda rosa, mesmo contendo aromas suaves de alegrias aqui e ali, de quando em quando nos deparamos com os espinhos das tristezas, decepções e imprevisibilidades. Tudo que conquistamos geralmente é com persistência, determinação e dedicação. Consequentemente vem às dificuldades que irão requerer de nós ainda mais empenho, esforço e força de vontade. Parece que temos uma tendência natural de valorizar o que requer de nós mais determinação. Talvez por isso muit…

Escutar-se

Existe diferença entre ouvir e escutar. O primeiro ouve sem dar a devida atenção e muitos parecem ter um botão de desligar, fazendo jus aquela expressão popular: “Ouvido de mercador” ou “entra por um ouvido e sai pelo outro”. O segundo por sua vez, escuta atentamente o que está sendo dito e até o que muitas vezes nem se percebe dizer. Escutar o outro não é simplesmente captar o que está sendo dito, mas entender o que é captado pela audição, de modo que se compreenda e processe a informação internamente. Contudo, escutar-se é um desafio, ainda mais diante dos ruídos e distrações existentes em nossos dias. Portanto, isso requer ainda mais esforço e disciplina, pois nos leva aos nossos medos, desejos, angústias, fantasias e nossos fantasmas, porém como já foi dito anteriormente, cabe a nós silenciar nossa mente. O ser humano sempre deseja esquivar-se da verdade dele mesmo. Na grande maioria das vezes não queremos nos escutar porque fugimos de nós e preferimos não nos confrontar com nosso …

Identidade na diferença

Eu? Como assim eu? Se nem sei exatamente o que sou. Tornei-me isso que, dia após dia, muda e não sei o que serei, pois, ainda estou sendo uma metamorfose incessável. Este ser que diz, eu, é o mesmo que diz fui. Isto mesmo! Olhando para trás vejo que fui alguém que não sou mais, mas era eu lá, e sou eu aqui, mas o ser de hoje não esteve lá, pois, é fruto, produto de tudo que vivenciei no decorrer dos anos. O ser de ontem também dizia: "eu sou assim". No entanto, hoje me vejo de outro modo e percebo que não era daquele jeito, assim como não sou hoje o que serei amanhã. Então, o que sou eu afinal? Algo que transcorre e escorre no tempo? Sou ou que estou sendo? Eu sou o que foi aprimorado no tempo? Esse ser que abre a boca e diz, eu sou, é tão relativo que uma simples relação com pessoas diversas gera uma mudança no que se diz ser, passando a ser produto da influência relacional. Sendo assim, o eu de hoje, mais adiante, será outro e não mais o que se é. Se digo que sou, já estou…