Pular para o conteúdo principal

Escutar-se

Existe diferença entre ouvir e escutar. O primeiro ouve sem dar a devida atenção e muitos parecem ter um botão de desligar, fazendo jus aquela expressão popular: “Ouvido de mercador” ou “entra por um ouvido e sai pelo outro”. O segundo por sua vez, escuta atentamente o que está sendo dito e até o que muitas vezes nem se percebe dizer. Escutar o outro não é simplesmente captar o que está sendo dito, mas entender o que é captado pela audição, de modo que se compreenda e processe a informação internamente. Contudo, escutar-se é um desafio, ainda mais diante dos ruídos e distrações existentes em nossos dias. Portanto, isso requer ainda mais esforço e disciplina, pois nos leva aos nossos medos, desejos, angústias, fantasias e nossos fantasmas, porém como já foi dito anteriormente, cabe a nós silenciar nossa mente.
O ser humano sempre deseja esquivar-se da verdade dele mesmo. Na grande maioria das vezes não queremos nos escutar porque fugimos de nós e preferimos não nos confrontar com nosso lado obscuro. Immanuel Kant disse que “o empreendimento mais importante do homem é saber o que se deve ser para ser um homem”. Entretanto, isto requer de nós uma autorreflexão que só é possível se aquietarmos e nos pacificarmos num estado interno de profundo silêncio. Sendo assim, se buscamos descobrir a nós mesmos devemos trilhar o caminho da escuta.
O filósofo e escritor francês Pascal Bruckner descreveu a vitimização como uma característica da nossa sociedade. Ao nos colocar constantemente numa postura de vítima e recusarmos assumir responsabilidades, estamos desenvolvendo a autocomiseração que é um sentimento de compaixão por si mesmo. No popular, seria ter pena de si mesmo, se vendo como vítima da própria história, achando que a vida foi muito injusta nos impedindo de viver. Sabe quando somos impedidos de viver? Sempre que ignoramos nossos próprios sentimentos e eles vão se enraizando em nós. Quando expressamos os sentimentos de mágoa ou raiva, por exemplo, rapidamente esclarecemos e aprofundamos a relação conosco e com o outro. É bom lembrar que somos responsáveis pelo ambiente que criamos em torno de nós.
Saberemos quem somos e no que estamos nos transformando, se desacelerarmos um pouco passando a nos escutar mais. Nosso interior precisa ser cuidado e alimentado, precisa de leveza e amplitude, precisa de asas sem restringir seu espaço de voo e sem podar as asas para que exteriormente possamos ser conduzidos a um novo caminho, para um caminho de atenção. Saíamos da superfície, aprofundemo-nos em nós mesmos. Deixemos as futilidades e abracemos o que de fato e de verdade é essencial para nós e em nós. Basta nos escutar, pois todo tempo o tempo todo estamos falando e tudo a nossa volta também está, apenas não estamos percebendo porque estamos desconectados de nós apesar de estarmos conectados virtualmente com o mundo.
Vamos nos permitir ser confrontados por nossa própria história e nos reconciliar com ela, pois o que somos hoje é reflexo do que um dia fomos e passamos. Claro que não podemos voltar no passado e muda-lo, mas podemos aprender com ele. Sei que não podemos escolher a nossa infância, esta já passou, mas em algum momento temos de nos reconciliar com tudo aquilo que um dia vivemos e sofremos. Todavia, isso só acontecerá se estivermos preparados para nos reconciliar com nossos ferimentos e ressignificá-los, a fim de transformá-los em pérolas. Reconciliar-se com as mágoas significa também perdoar aqueles que nos magoaram. Porém, perdoar não é receber uma grande pancada na cabeça e ter uma amnésia, não, não é esquecer-se, mas lembrar-se e não ser mais machucado por esta memória. Perdoar é um processo que muitas vezes necessita de um longo tempo para de fato se concretizar na alma. Não é simplesmente querer, mas decidir, pois não existirá reconciliação alguma com nossa história de vida percorrida até aqui, se não houver perdão. Escute-se, perdoe-se e fique bem consigo mesmo.


D. L. Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma ilha diferente

Numa pequena ilha chamada sentimentos chegou um barco e nele estava escrito Problemas. Todos os que estavam nele desembarcaram na ilha. Então, começaram a sair do barco o Estresse, o Sofrimento, a Dor, a Amargura e a Angústia.
Assim que virão os que desceram do barco, a Alegria, Calma, Coragem, Felicidade e Gratidão, subiram numa pequena jangada e fugiram da ilha. Desespero foi logo avisar aos demais que ainda estavam na ilha.
Esperança ficou sem reação e procurou a Estabilidade que tinha uma pequena canoa e também fugiram da ilha.
Todos da ilha foram para imensa casa do Medo, exceto a Tristeza, Ansiedade e Depressão que preferiam ficar diante do mar cujo nome era sonhos e ficaram ali se lamentado da vida, pois depois que o barco Problema chegou, tudo se transformou se tornou um caos. Mas, espere, tem alguém se aproximando da ilha numa velha jangada. Quando chegou a ilha ele disse você me permite entrar na ilha? Tristeza respondeu com uma pergunta: "por que, se a ilha está praticame…

Identidade na diferença

Eu? Como assim eu? Se nem sei exatamente o que sou. Tornei-me isso que, dia após dia, muda e não sei o que serei, pois, ainda estou sendo uma metamorfose incessável. Este ser que diz, eu, é o mesmo que diz fui. Isto mesmo! Olhando para trás vejo que fui alguém que não sou mais, mas era eu lá, e sou eu aqui, mas o ser de hoje não esteve lá, pois, é fruto, produto de tudo que vivenciei no decorrer dos anos. O ser de ontem também dizia: "eu sou assim". No entanto, hoje me vejo de outro modo e percebo que não era daquele jeito, assim como não sou hoje o que serei amanhã. Então, o que sou eu afinal? Algo que transcorre e escorre no tempo? Sou ou que estou sendo? Eu sou o que foi aprimorado no tempo? Esse ser que abre a boca e diz, eu sou, é tão relativo que uma simples relação com pessoas diversas gera uma mudança no que se diz ser, passando a ser produto da influência relacional. Sendo assim, o eu de hoje, mais adiante, será outro e não mais o que se é. Se digo que sou, já estou…