Pular para o conteúdo principal

Fazer silêncio para escutar-se, relembrar e perdoar-se




Mesmo quando a vida nos reserva algo difícil nós podemos ser felizes, ainda que pontuada por momentos de tristeza tais momentos não anulam o estágio da paz. Aceitar o eu que nos tornamos significa reconciliação consigo mesmo e isso requer que aceitemos o fato de sermos ambivalentes. Em nós existe amor, mas também ódio, apesar de todas nossas aspirações morais e éticas, também temos agressividade, ira, ciúme, sentimentos depressivos covardia e medo. Se não enfrentarmos as sombras que nos habitam iremos projetá-las no outro. Então, por não estarmos em harmonia conosco e reconciliados com nossa própria história, também encontraremos dificuldades para nos reconciliar com o outro.
Perdoar não é fácil, porque quem perdoa não espera um retorno, ou seja, não pressupõe reciprocidade. Ao perdoarmos somos libertos do sentimento corrosivo de se achar injustiçado e às vezes somos libertos da auto piedade. Ainda que de fato tenhamos sido ofendidos não podemos nos aprisionar as dores vividas. O perdão é um exercício pouco praticado em nossos dias, talvez porque é algo tão profundo que é executado antes mesmo do ofensor se arrepender e chegar a nós pedindo perdão. Isto mesmo, antes que ele venha já está perdoado por nós e isso é dar ao outro a chance de nascer de novo na nossa própria história.
Cada um de nós traz as marcas da sua história. Uns perderam os pais muito cedo, outros, mesmo tendo os pais é ou era como se não tivesse-os. Há também aqueles que talvez tivessem um pai com comportamento instável devido ao consumo excessivo de álcool. Em outros casos a mãe não demonstrava afeto, acolhimento, ou era depressiva e não pôde dar a confiança que necessitávamos. Mulheres ou homens que quando crianças sofreram abusos sexuais. Estas e outras situações que não foram ditas aqui, geram traumas difíceis de serem superados, levando muitos a se submeterem a psicoterapia para poder dar conta dos sofrimentos. Então, surge a pergunta: Será que feridas assim podem ser curadas? Sim, toda ferida pode ser curada!
Quando fazemos silêncio é possível nos escutar e quando nos escutamos muitas coisas podemos relembrar. Esse processo pode ser bem difícil, pois temos que nos permitir sentir novamente a dor que o outro nos causou e aceitar aquela raiva que sentimos diante das palavras reprimidas que nos feriram. Porém, este movimento nos liberta do domínio do outro, pois internamente estamos ligados a ele enquanto não lhe oferecemos o perdão. Algumas pessoas nunca se curam por não conseguirem, ou não quererem perdoar àquele que as feriu, optando serem consumidas pelo ódio, angústia ou constante lamento da vida que tiveram. Perdoar não é uma exigência, mas sim a nossa libertação.
É certo que não nascemos prontos e estamos sendo formados, moldados, nos refazendo no decorrer da existência. Todos nós enquanto seres humanos, precisamos de uma família para desenvolvermos de maneira plena as nossas competências emocionais, cognitivas e motoras. Socialmente falando, a família é o núcleo sobre a qual a sociedade se desenvolve, por isto quanto mais saudável for, melhores serão os sujeitos que possibilitarão a construção de um ambiente social mais inclusivo, harmonioso e acolhedor. Contudo, não podemos negar que famílias também acabam sendo grandes fabricas de neuroses, pois muitas vezes acabam sendo espaços de agressão, falta de afeto e até mesmo solidão, apesar de está cercado por pessoas. Tal ambiente tem se tornado um verdadeiro lugar de adoecimento psíquico, fazendo indivíduos levarem feridas por toda vida. Antoine de Saint-Exupéry, o conhecido escritor, ilustrador e piloto francês em um contexto específico disse: “Não chore por ter perdido o pôr do sol, pois as lágrimas te impedirão de contemplar as estrelas”. Se angustiar pelo que passou sem perdoar a si mesmo e aos outros, é entrar numa zona de estagnação e começamos a nos bloquear ou mesmo desenvolvemos auto sabotagens para repetir os sofrimentos do passado. Não podemos voltar no tempo para mudá-lo, mas também não vivemos plenamente o presente se estivermos presos a ele e desta maneira não percebemos as coisas maravilhosas que a vida nos proporciona aqui no agora.
De fato quando nascemos em um lar onde os relacionamentos são saudáveis e existem respeito e amor mútuo, a vida se torna muito mais fácil de ser vivida. Muitos de nós trazemos dores tão profundas e intensas, que até parecem ter sido impressas no nosso íntimo para sempre devido a exposição a toda sorte de problemas, humilhações, ausências e maus tratos. Olhando assim parece que não existe algo que seja tão destrutivo na vida do ser humano quanto às questões dos dramas familiares. Um psicanalista francês, Charles Melman afirmou: “A instituição familiar está desaparecendo, e as consequências são imprevisíveis”. Como disse acima, a família é necessária, mas parece que cada vez mais ela está produzindo mais mal do que bem.
O filósofo, escritor e crítico francês Jean-Paul Sarte, certa vez afirmou que a “família é como a varíola: a gente tem quando criança e fica marcado para o resto da vida”. Entretanto, se guardarmos rancor e sentimentos de amargura contra nossa família estaremos repetindo em nós dores da infância sem resolvermos o cerne do problema. Quanto mais estocarmos em nossa alma tais coisas, sempre caminharemos pesados, pois reter o ódio faz muito mal. Todos nós passamos e passaremos por ambientes de sofrimentos, porém viver nesse ambiente é uma coisa, e permitir que ele viva em nós é outra coisa totalmente diferente. A questão é que muitas vezes conjugar o verbo sofrer parece gerar em nós um certo prazer, ou uma maneira de mostrarmos para o outro como nossa vida foi ruim pedindo indiretamente que ele facilite nossa jornada, afinal chegar aqui entre trancos e barrancos não foi nada fácil. Sendo assim, vamos reagir diante do sofrimento vivido e cuidarmos de nós mesmos para que nos tornemos pessoas melhores, a fim de não ficarmos enjaulados, presos pelas grades dolorosas do passado, mas livres, desfrutando da oportunidade que temos hoje de reescrever nossa história.

Daniel L. Gonçalves
Teólogo, Filósofo e Psicanalista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Identidade na diferença

Eu? Como assim eu? Se nem sei exatamente o que sou. Tornei-me isso que, dia após dia, muda e não sei o que serei, pois, ainda estou sendo uma metamorfose incessável. Este ser que diz, eu, é o mesmo que diz fui. Isto mesmo! Olhando para trás vejo que fui alguém que não sou mais, mas era eu lá, e sou eu aqui, mas o ser de hoje não esteve lá, pois, é fruto, produto de tudo que vivenciei no decorrer dos anos. O ser de ontem também dizia: "eu sou assim". No entanto, hoje me vejo de outro modo e percebo que não era daquele jeito, assim como não sou hoje o que serei amanhã. Então, o que sou eu afinal? Algo que transcorre e escorre no tempo? Sou ou que estou sendo? Eu sou o que foi aprimorado no tempo?
Esse ser que abre a boca e diz, eu sou, é tão relativo que uma simples relação com pessoas diversas gera uma mudança no que se diz ser, passando a ser produto da influência relacional. Sendo assim, o eu de hoje, mais adiante, será outro e não mais o que se é. Se digo que sou, já estou…

Quem foi que disse que a jornada seria fácil?

Quando criança ouvi muitas vezes minha vó e mãe dizerem: “rapadura é doce, mas não é mole não!”. Claro que naquela época não entendia o que isso queria dizer. Também ouvia um outro ditado que aparentemente era bem diferente, mas hoje percebo a semelhança que tem com o primeiro. Era o seguinte: “a vida não é um mar de rosas”. Agora paro, penso e concordo em parte com as verdades inseridas nessa sabedoria popular. A vida apesar de toda doçura tem também lições amargas e muitas vezes dolorosas; apesar de tão bela e delicada como uma linda rosa, mesmo contendo aromas suaves de alegrias aqui e ali, de quando em quando nos deparamos com os espinhos das tristezas, decepções e imprevisibilidades. Tudo que conquistamos geralmente é com persistência, determinação e dedicação. Consequentemente vem às dificuldades que irão requerer de nós ainda mais empenho, esforço e força de vontade. Parece que temos uma tendência natural de valorizar o que requer de nós mais determinação. Talvez por isso muitos…

Escutar-se

Existe diferença entre ouvir e escutar. O primeiro ouve sem dar a devida atenção e muitos parecem ter um botão de desligar, fazendo jus aquela expressão popular: “Ouvido de mercador” ou “entra por um ouvido e sai pelo outro”. O segundo por sua vez, escuta atentamente o que está sendo dito e até o que muitas vezes nem se percebe dizer. Escutar o outro não é simplesmente captar o que está sendo dito, mas entender o que é captado pela audição, de modo que se compreenda e processe a informação internamente. Contudo, escutar-se é um desafio, ainda mais diante dos ruídos e distrações existentes em nossos dias. Portanto, isso requer ainda mais esforço e disciplina, pois nos leva aos nossos medos, desejos, angústias, fantasias e nossos fantasmas, porém como já foi dito anteriormente, cabe a nós silenciar nossa mente.
O ser humano sempre deseja esquivar-se da verdade dele mesmo. Na grande maioria das vezes não queremos nos escutar porque fugimos de nós e preferimos não nos confrontar com nosso …